Ganbatte (頑張って)

Mais uma palavra que não tem tradução mas é muito usada nas ocasiões em que os brasileiros diriam boa sorte. A diferença entre dizer ganbatte e boa sorte explica várias diferenças entre a cultura japonesa e a cultura brasileira.

Ganbatte é a forma imperativa do verbo ganbaru que significa esforçar-se. Aqui também, embora a tradução que consta no dicionário seja esforçar-se, o nível e o tipo desse esforço é diferente do a palavra em português é capaz de expressar, ou seja, realmente não há uma tradução tradução para essa palavra. Tanto isso é verdade que brasileiros que moram no Japão freqüentemente utilizam expressões do tipo: “ele está ganbatando”, “este ano eu vou ganbatar”, “ganbatei hoje e consegui terminar o meu trabalho”.

Ganbaru não se refere a um esforço pequeno, que não nos custa nada; é um esforço concentrado, onde sacrificamos outras coisas, vencemos o cansaço e outras dificuldades, para alcançar um objetivo. Para os japoneses, mesmo que não consigamos alcançar o nosso objetivo, o importante é que tenhamos nos esforçado ao máximo. No Japão, o esforço é mais respeitado do que o resultado. Assim, mesmo quando alguém consegue um resultado satisfatório com um esforço pequeno, os japoneses não consideram uma grande vitória, pois se o esforço tivesse sido maior, o restultado poderia ter sido melhor.

Esse modo de pensar tem uma outra conseqüência: os japoneses não atribuem o sucesso ao talento individual. Eles não acreditam (ou pelo menos agem e falam como se não acreditassem) que algumas pessoas tem um dom ou talento especial. Todo sucesso é atribuído ao esforço e não à natureza das pessoas.

Por exemplo, se alguém no Japão disser que vai fazer um teste, ouvirá dos outros “Ganbatte kudasai!” (Se esforce!); se for no Brasil, ouvirá “Boa sorte!” Assim, se obtiver um bom resultado no Japão, será porque se esforçou bastante; no Brasil será porque estava no seu dia de sorte. Caso não tenha um bom resultado no teste, o japonês dirá: “Eu não estudei o suficiente o conteúdo do teste, por isso fui mal”. O brasileiro poderá dizer: “Tive azar, caiu no teste a matéria que eu não sabia”. Da mesma forma, poderia dizer: “Tive sorte, pois caiu no teste exatamente o que eu tinha estudado”. Ou seja, mesmo que tivesse se esforçado mais, o seu resultado não poderia ser melhor, pois depende da sorte.

Nos esportes, também os japoneses não desejam boa sorte aos atletas, mas pedem aos atletas que se esforcem ao máximo. Isso antes da competição, situação na qual o brasileiro desejaria boa sorte aos atletas. Durante a competição, entretanto, eu acho que o papel da sorte se torna secundário, inclusive para os brasileiros. Acho que é a situação “as cartas estão da mesa”, ou “os dados estão rolando”. O brasileiro grita “vamos lá!”, “vai! vai! vai!”, “força!”, etc., que tem exatamente o mesmo significado que o japonês grita: “ganbare!”. Não cheguei a analisar a conseqüência prática desta coincidência, mas certamente um ponto interessante.

Outra situação é com relação aos artistas. Em gravações de shows ao vivo é comum ouvir alguém da platéia gritando “ganbare!”. No Brasil gritam todo tipo de coisa, mas acho que ninguém pede para o artista se esforçar no show que está por iniciar. A atitude dos fãs japoneses com relação aos artistas é bem mais humana do que a dos brasileiros. Os japoneses geralmente desejam que os artistas tenham saúde e que se esforcem para continuar fazendo cada vez melhor o seu trabalho. São coisas que os japoneses também costumam desejar aos seus colegas, chefes e amigos, ou seja, os artistas são vistos como pessoas comuns. No Brasil, com todas as diferenças sociais que existem, os artistas são tidos como algo diferente, como se não fossem humanos. Muitos fãs não os vêem como seres de carne e ossos, que batalharam muito na vida para conseguirem o sucesso atual. Provavelmente estes fãs imaginam que os artistas tiveram sorte em se tornarem artistas. Pelo menos é assim que eu vejo.

7 thoughts on “Ganbatte (頑張って)

  1. >Eu falei em gravações de show ao vivo porque foi onde eu ouvi. Eu nunca fui num show no Japão :( , mas se você tiver tempo e dinheiro, vai encontrar bons shows para assistir toda sexta, sábado e domingo. Se você não for tão exigente asssim, numa cidade grande como Tóquio ou Osaka vai encontrar mais de um show por dia para ir!

    Tem muitos grupos e cantores japoneses e o povo daqui aprecia a música local. Claro que aqui também tem música estrangeira, mas pelo que eu vejo, a maioria das pessoas gosta mesmo das músicas japonesas. Além disso, os CDs japoneses estão entre os mais caros do mundo e a pirataria é muito controlada. E eu acho que é graças a isso que tantos artistas podem continuar suas atividades no Japão.

    Mas, voltando ao assunto do artigo, eu usei o exemplo de artistas porque, no Brasil, eles não são cosiderados pessoas normais. Em primeiro lugar, eles só são artistas porque têm “talento”; têm o “dom” para isso. Em segundo lugar, a imagem que se tem deles é que eles são ricos e têm uma vida tranqüila, muito diferente da nossa vida.

    No Japão, eu tenho a impressão que as pessoas vêem os artistas como pessoas comuns. E, como tal, para eles cantar é um trabalho. Ora, o estudante está ganbatando (se esforçando) nos seus estudos; o trabalhador, no seu trabalho; a dona de casa, na lida doméstica, etc. Assim também, os artistas estão ganbatando no seu trabalho de cantar. Nesse sentido, eles são iguais a qualquer pessoa do povão e é por isso que a platéia grita “ganbare”. Eles não esperam que os aritstas façam mágicas com os seus dons divinos, mas apenas que dêem o melhor de si, como todo mundo faz. Não sei se fui claro?

  2. >Humm!!
    Aqui é como no Brasil. Na verdade, as pessoas ate se desculpam que nao tiveram bem porque tiveram azar ‘mas eu estudei tanto.. tive o azr de aparecer aquela materia que eu menos sabia’.

    Sobre os artistas… Eu ouvi dizer que ha montões de cantores jpop. E se a pirataria está mais controlada no Japão, é normal haver assim tantos cantores. Aqui nao… Gostas de uma musica, gostas de um album, ja o tás a sacar da Net.
    Mas também digo, que… (pelo menos no meu caso). Eu so nao compro mais CD’s porque eles estao muito caros. Chaga a uma altura que nem vontade dá de pegar neles numa loja.

    Mas mudando de assunto.. isso que escreveste quer dizer então que nos shows de jpop, por exemplo, nao ha aquele esterismo?
    É que aqui quando vem uma banda daquelas mais conhecidas que todo o jovem gosta, é gritos por todo o lado. E se tocarem no artista é quase como um milagre… Nem lavam a cara nesse dia
    ahaha

    Beijos

  3. >excelente! gostei bastante dos textos. estive no japão no ano passado por 8 meses e fui a alguns shows. Fui no do linkin park, fall out boy, the all american rejects e até de uma banda japa o asian kung fu generation e é bem diferente o jeito que os japas se compartam nos shows.eles sao bem mais comportados. não gritam tanto e a galera nao parece transmitir tanta energia quanto no Brasil. não tem muito mosh nem rodinha. as pessoas nao tiram a camisa, é comum ver tbm pessoas com toalhas de rosto penduradas no pescoço para secar o suor. e os shows são extremamente bem organizados se comparados com a porcaria que sao os shows no brasil.

  4. >A matéria é muito legal, apesar de lê-la alguns meses após eu gostei muito!!
    O Japão tem um povo de uma cultura muito boa e interessante!!
    Matéria legal!!
    ^^

  5. >NOSSA! AMEI AMEI ESTE BLOG^^

    uma pergunta….

    o que significa tensai 天才?! ?

    pelo o que eu saiba significa gênio, talento…

    mas você falou que japoneses não acreditam nisso….

    obrigada pela atenção e continue com este blog maravilhoso..頑張ってね^^
    !!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>